Stonehearst Asylum, onde nada é o que aparenta ser

Written by on Abril 17, 2019

Stonehearst Asylum, onde nada é o que aparenta ser
Autor: ESCS Magazine
Conteúdo retirado automaticamente da página do núcleo ESCS Magazine
Ver fonte

Baseado na obra de Edgar Allan Poe, Stonehearst Asylum foi adaptado para filme, em 2013, por Joe Gangemi e sob a direção de Brad Anderson. O thriller conta-nos a história de Edward Newgate, interpretado por Jim Sturgess, um médico recém-formado que pretende fazer o estágio no hospício de Stonehearst.

A história remonta para o ano de 1899 e inicia-se com a chegada de Edward ao asilo.  Rapidamente este desenvolve um estranho interesse por uma das pacientes, Eliza Graves, interpretada por Kate Beckinsale, e descura o que parece acontecer à sua volta.

Kate Beckinsale and Jim Sturgess in Eliza Graves (2014)
Fonte: IMDB

A partir desse momento, Newgate começa a descobrir os segredos escondidos pelas paredes de Stonehearst – nada é o que parece e o asilo pode ser mais perigoso do que aquilo que aparenta ser no início.

O clima que se gera em toda a trama foi extremamente bem conseguido e o facto de Ben Kingsley fazer parte do elenco, ao interpretar o médico que lidera o hospício, faz-nos associar este filme ao Shutter Island. No entanto, o enredo de Stonehearst Asylum desilude um pouco e faz com que este filme mal chegue aos calcanhares do que tem Leonardo Dicaprio como protagonista.

Ben Kingsley and Jim Sturgess in Eliza Graves (2014)
Fonte: IMDB

David Thewlis é a quarta figura principal no filme e é, tal como os outros, a prova de que um bom elenco consegue salvar um fraco enredo. Todas as personagens conseguem ter, na perfeição, o equilíbrio necessário entre sanidade e loucura, o que não seria possível sem um elenco de luxo.

O enredo torna-se, por vezes, demasiado confuso e incoerente. E ainda que isto possa ter sido uma escolha de associar o enredo ao estado mental dos pacientes, a verdade é que existem diversas escolhas que não foram bem pensadas.

Tal como no filme Shutter Island, o público é presenteado com dois plot twists, mas o roteiro de Gangemi fica bastante aquém. O primeiro está até na sinopse: erro! Para além disto, não foi suficientemente bem construído e é quebrado demasiado cedo – ao ter sido lançada a ideia inicial de que haveria um plot twist, o mistério poderia ter sido mantido durante mais tempo. Isto seguramente iria criar na cabeça do espectador uma necessidade de ter especial atenção em relação a todos os pormenores. O filme falha redondamente nesta parte.

Michael Caine in Eliza Graves (2014)
Fonte: IMDB

O segundo surge no final e só serve para confundir a cabeça de quem vê o filme. No entanto, a ideia foi boa e inesperada, a desilusão é mesmo o facto de o filme nos apresentar um final apressado e pouco trabalhado.

A sensação final é mesmo a de que apostaram em cenas demasiado longas mas descuraram as partes mais importantes, como o final. Stonehearst Asylum é um filme bom. Não é brilhante, existem bastantes falhas visíveis que poderiam ter sido melhor trabalhadas, no entanto, é um filme fácil de ver e interessante – representa bem o que os hospícios eram naquela época e reflete os problemas pelos quais os pacientes e os médicos nestes locais passavam.

Fonte “thumbnail”: facebook.com/StonehearstAsylum/

Artigo revisto por Ana Rita Curtinha


Current track

Nome

Artist