Khachanov surpreende e conquista Masters de Paris

Written by on Novembro 12, 2018

Khachanov surpreende e conquista Masters de Paris
Autor: ESCS Magazine
Conteúdo retirado automaticamente da página do núcleo ESCS Magazine
Ver fonte

Realizou-se no dia 4 de novembro a final do último Masters da temporada. O jogo decisivo contou com o russo Karen Khachanov e o sérvio Novak Dkokovic.

Antes de falar da grande final deste torneio, é importante recordar o caminho que estes dois jogadores percorreram.

Percurso de Khachanov:

32 avos de final- Khachanov 2-0 Krajinovic

16 avos de final- Matthew Ebden 0-1 Khachanov (Ebden desistiu no segundo set)

Oitavos de final- Khachanov 2-1 John Isner

Quartos de final- Alexander Zverev 0-2 Khachanov

Meias finais- Dominic Thiem 0- 2 Khachanov

Khachanov teve um percurso irrepreensível. Nos 5 jogos que realizou até chegar à final, só John Isner conseguiu ganhar um set ao russo. Nos quartos de final e meias finais, Khachanov apanhou jogadores que estavam à sua frente no ranking- Alexander Zverev (número 5) e Dominic Thiem (número 8) – mas esta aparente desvantagem que tinha passou completamente ao lado durante as partidas. No jogo diante de Alexander Zverev, Khachanov só precisou de uma hora para garantir a vitória. O mesmo aconteceu contra Dominic Thiem. Com todas estas vitórias, acompanhadas de grandes exibições, ficou a prova de que o russo iria ter uma palavra a dizer na final, mas já lá vamos.

Percurso de Djokovic:

16 avos de final- João Sousa 0-2 Djokovic

Oitavos de final- Damir Dzumhur 0-1 Djokovic (Dzumhur desistiu no segundo set)

Quartos de final- Marin Cilic 1-2 Djokovic

Meias finais- Roger Federer 1-2 Djokovic

Em relação a Djokovic, o sérvio começou a sua prestação no Masters de Paris com uma vitória sobre o português João Sousa. O primeiro set do jogo foi muito bem disputado. Já no segundo set, Djokovic impôs o seu melhor ténis e não deu hipóteses a Sousa. Os jogos contra Marin Cilic e Roger Federer revelaram-se mais complicados para o tenista sérvio. Em ambos os encontros foram necessários um terceiro set, proporcionando jogos de duração superior a duas horas, que significa maior desgaste para Djokovic. (Quartos de final – 2h12m / Meias finais- 3h06).

Estando ultrapassados todos estes obstáculos, eis que chega então o jogo mais importante do torneio- a final.

Até esta partida, os dois jogadores só se tinham defrontado uma vez. Foi este ano em Wimbledon e terminou com a vitória do sérvio por 3-0.

O primeiro set da partida foi bastante equilibrado e com muitas mudanças no marcador. A primeira quebra de serviço foi conseguida por Djokovic. Desta maneira, conseguiu passar para a frente do jogo com uma vantagem de 3-1. O jogador russo acabou por responder na mesma moeda e ganhou o jogo de serviço de Djokovic, reduzindo a desvantagem para 3-2. Khachanov conseguiu depois o empate. O grande momento deste primeiro set foi conseguido quando o jogador russo quebrou, novamente, o serviço do sérvio e colocou-se em vantagem pela primeira vez na partida (6-5). Ao fim de 57 minutos de jogo, o número 10 do ranking confirmou mesmo o triunfo e venceu por 7-5.

No segundo set, Khachanov começou a impor mais o seu jogo. Para além disso, aproveitou vários erros de Djokovic para ganhar pontos. O momento decisivo deste set foi a quebra no jogo de serviço de Djokovic. A partir daí, o jogador russo fez o seu trabalho e ganhou todos os jogos em que serviu, confirmando a vitória por 6-4.

Uma hora e meia depois, estava encontrado o grande vencedor do Masters 1000 de Paris. A raça com que lutou por toda as bolas e o facto de ter aproveitado os erros do seu adversário foram fatores importantes que acabaram, naturalmente, por guiar Khachanov a uma das maiores vitórias da sua carreira.

Com 22 anos, o jogador russo conseguiu duas proezas neste torneio: primeiro título Masters da carreira e primeira vitória contra Djokovic. Já o jogador sérvio, apesar de ter perdido, regressou ao primeiro lugar do ranking ATP. (Beneficiou da desistência de Rafael Nadal).

Desta forma, Khachanov terminou da melhor maneira a sua temporada. “Isto significa o mundo para mim. Não podia ficar mais feliz com este final de temporada, venci um Masters 1000 contra o número um.” – disse ele.

Artigo corrigido por: Joana Silvério


Current track

Nome

Artist