Défice de Portugal nos 3%

Written by on Outubro 23, 2018

Défice de Portugal nos 3%
Autor: ESCS Magazine
Conteúdo retirado automaticamente da página do núcleo ESCS Magazine
Ver fonte

Resultado é o segundo mais alto da zona Euro. Impacto da capitalização da CGD revelou-se decisivo. Dívida pública continua a alarmar a União Europeia.

Segundo dados da Eurostat, gabinete estatístico da União Europeia, Portugal apresentou, no ano de 2017, um défice de 3%. Este resultado ficou acima do previsto inicialmente pelo governo. Para este balanço negativo resultou, de forma decisiva, a capitalização do banco do estado, a Caixa Geral de Depósitos (CGD), que se refletiu num valor superior a 3 mil milhões de euros. Tal como avançado anteriormente pelo executivo de António Costa, sem o impacto da recapitalização do banco o resultado seria de 0,9%, o que representaria o melhor resultado da história da democracia portuguesa. Em 2016, o resultado tinha-se fixado nos 2%. Recorde-se que, no orçamento de estado para 2019, o Governo prevê um défice de 0,2% impulsionado por uma expectativa de crescimento económico superior a 2%.

No restante espaço europeu o saldo orçamental negativo recuou dos 1,6%, em 2016, para os 1,0% do Produto Interno Bruto (PIB), no ano passado, um ligeiro agravamento face aos 0,9% previstos na primeira notificação, divulgada em Abril, mas um resultado dentro da expectativa dos responsáveis europeus. Os menores défices públicos, em percentagem do PIB, foram registados na Irlanda (-0,2%), Estónia (-0,4%), Letónia (-0,6%) e Finlândia (-0,7%).

O mais alarmante para a União Europeia é a dívida pública portuguesa, que se situa nos 124,8 do PIB, sendo a terceira maior do espaço europeu. Portugal conseguiu uma descida da sua dívida (já que anteriormente se fixava em 125,7%), em muito impulsionada pela recuperação económica acentuada com a baixa dos juros de financiamento. Segundo o Eurostat, apesar da descida, o valor continua a ser um entrave para o desenvolvimento da economia Portuguesa. Do lado do Governo Português, a resposta à dívida pública tem sido feita com a aposta no crescimento económico. De recordar que, recentemente, a agência financeira Moody’s subiu o rating Português, colocando a dívida soberana portuguesa num patamar de investimento estável.

A dívida pública da zona euro também foi revista, mas em alta, face à primeira notificação, com o gabinete estatístico da UE a divulgar um valor de 86,8% do PIB, face aos 86,7% estimados anteriormente.


Artigo corrigido por: Ângela Cardoso

Autor
Luís Carvalho

O Luís tem 24 anos e vem de Sintra. Descreve-se acima de tudo como um curioso, uma das principais características de um jornalista, com o sonho de um dia viajar pelo mundo e relatar essa experiência. É um apaixonado por cinema, aliás obcecado pela sétima arte, e política internacional. Orgulha-se de poder dizer os vencedores de todos os campeonatos do mundo de futebol, outra das suas paixões.


Current track

Nome

Artist